Uma vez que esteja na formalina, Álcool ou outro fixador, não há problema. Amostras de urina,escarro e outras secreções colhidas a fresco devem ser preferentemente enviadas para o laboratório. Se não for possível, manter em geladeira (não congelar).

Não. Na dependência da complexidade da análise ou da natureza do material examinado (tecido ósseo ou calcificado), é necessário mais tempo para as etapas técnicas. Quando da saída do resultado, o laboratório entrará em contato.

Contate o laboratório, pois os laudos podem ser disponibilizados via Internet, via correio eletrônico, via entrega expressa ou autorize alguém de sua confiança a retirá-lo. (Deverá portar o protocolo de atendimento e documento RG/CPF).

Clique aqui e solicite uma segunda via sem nenhum custo.

Não, desde que esteja em formalina ou similar, deve ficar a temperatura ambiente.

Neoplasia é o crescimento anômalo de um grupo de células. É subdividida em Neoplasias Benignas e Neoplasias Malignas. É chamada de Câncer somente quando tem caracterí­sticas malignas, invasiva e agressiva.

Solicite ao seu médico que encaminhe o exame para o SOLIM. O laboratório conta com serviço personalizado de logí­stica para coleta de exames e entrega de resultados em hospitais, clí­nicas e consultórios. Caso prefira, você mesmo pode levar o material em qualquer uma de nossas unidades.

Quando uma de nossas unidades estiver fechada, alguns cuidados deverão ser tomados para uma melhor conservação do material.

Se estiver no formol, guarde em local fresco e fora do alcance das crianças.
Caso não esteja fixado com formol, coloque o frasco em uma sacola plástica para proteger da água e não danificar a identificação do rótulo. Providencie um recipiente térmico para colocar o gelo e deixe fechado, junto com o material até levar ao laboratório no dia seguinte.
Não colocar na geladeira para não infectar os alimentos.
Não colocar no congelador pois poderá implicar na perda do material.
Qualquer dúvida ligar para o nosso numero de plantão (79) 99145-3300.

O formol encontrado na farmácia é dito “bruto” (37 a 40%). Para ser utilizado para fixar biópsias deve ser diluído em solução fisiológica 0,9% (preferencialmente) ou água, na proporção de 1 parte de formol + 9 partes de solução fisiológica ou água.

Metástase (do grego metástatis = mudanças de lugar, transferência) é a formação de uma nova lesão tumoral a partir de outra, mas sem continuidade entre as duas. Isso ocorre quando as células cancerí­genas penetram em um vaso sanguí­neo ou linfático e migram para outros órgãos, onde vão desenvolver novos tumores adicionais.

Quando o diagnóstico final não pode ser feito através do exame clí­nico, de exames de laboratório de Patologia Clínica (ex.: exames de sangue, fezes, urina, escarro…) ou por exames radiológicos. Por exemplo, ao realizar uma endoscopia gástrica o endoscopista vê uma úlcera. Através de uma pinça especial do endoscópio retiram-se pequenos fragmentos do revestimento do estômago na área ulcerada.

Esse material é examinado pelo médico patologista, que diagnostica se é uma úlcera péptica benigna, se é um câncer ulcerado ou outra doença. Esse resultado vai determinar o tratamento e a provável evolução do paciente.

A biopsia é um procedimento cirúrgico no qual se colhe uma ou mais amostras de tecidos ou células para posterior estudo em um laboratório de anatomia patológica, tal como a evolução de determinada doença crônica. É utilizada para diagnóstico de várias doenças, especialmente neoplasias. Ao chegar no laboratório um médico patologista ira analisar as células ao microscópio e ira descrever um laudo contendo suas observações e sua conclusão diagnostica. As biopsias podem ser:

Externas: pele e mucosas;
Internas: punções aspirativa por agulha fina (PAAF), punções ecoguiada (órgãos maciços), endoscopias (órgãos ocos);
Extemporânea (Perioperatória);
Incisional (É retirada apenas uma parte da lesão);
Excisional (É retirada a lesão inteira e, em caso de tumores malígnos, retira-se a lesão com uma margem de segurança de, aproximadamente, 2 cm);

Neoplasia (neo = novo + plasia = formação) é o termo que designa alterações celulares que acarretam um crescimento exagerado destas células, ou seja, proliferação celular anormal, sem controle, autônoma, na qual reduzem ou perdem a capacidade de se diferenciar, em consequência de mudanças nos genes que regulam o crescimento e a diferenciação celulares. A neoplasia pode ser maligna ou benigna.

Exemplos de neoplasia maligna:
Adenocarcinoma;
Carcinoma de células escamosas (tecidos epitelial ou conjuntivo);
Carcinoma broncogênico;
Teratoma maligno;

Exemplos de neoplasia benigna:
Lipoma;
Adenoma;
Teratoma benigna;

Um dos procedimentos em Anatomia Patológica é o chamado exame intra-operatório ou exame por congelamento. O patologista está presente no ato operatório e, por meio de técnica específica rápida, obtém preparados histológicos para serem lidos ao microscópio.

O procedimento não tem a mesma exatidão que o método rotineiro, mas permite, com segurança, orientar o cirurgião no procedimento, informando a natureza da lesão e, se for o caso, se a ressecação é adequada. Normalmente o procedimento usual, ou complementar, nesse caso, é feito com um ou mais dias de preparação do material.

Esse tipo de procedimento visa a determinar:
A presença ou não de lesão;
A natureza da lesão, em caso de tumor. E se o mesmo é benigno ou maligno;
O grau de ressecação, isto é, se as margens de ressecação estão adequadas;
Se há, eventualmente, lesão representada suficiente a fim de ser estudada posteriormente pelos métodos usuais.

É o procedimento pelo qual um material que já¡ passou pela biópsia e foi examinado é enviado para uma revisão ou segunda opinião. É comum em hospitais oncológicos fazer essa revisão quando o paciente é encaminhado por outra instituição. O material pode constituir-se das lâminas dos blocos parafinados ou de ambos.

O ideal é que os blocos parafinados sejam enviados, pois qualquer procedimento complementar, como imunohistoquímica, pode ser realizado.

O material quer em lâminas, quer em blocos, está absolutamente estável, não deteriorando e não apresentando nenhum risco de contaminação. Pela sua importância, deve-se acondicioná-lo, de modo que não se perca, pois muitas vezes é o único material que representa a lesão de um doente. Embora as lâminas de vidro possam quebrar, outras podem ser obtidas, sem grande problema, a partir dos blocos parafinados.

Normalmente, não. Ele examina os materiais no laboratório ou no centro cirúrgico, embora ele possa e deva prestar esclarecimentos aos pacientes que o desejarem. Quem colhe os materiais por meio de biópsia ou citologia é o médico atendente, geralmente um cirurgião.

É um método de diagnóstico complementar, que tem como objetivo a detecção de um determinado antígeno em um corte histológico. O exame imunohistoquímico tem revolucionado a prática da Anatomia Patológica e, além do auxí­lio ao diagnóstico de diferentes tumores, a técnica tem permitido a identificação de diferentes tipos de marcadores (enzimas, receptores e produtos de genes), que estão relacionados ao comportamento biológico das neoplasias.

Principais indicações: avaliação prognóstica, diagnóstico histogenético, discriminação da natureza benigna e maligna de determinadas células, caracterização da origem de carcinomas e identificação dos agentes infecciosos.

Ele normalmente desenvolve-se sobre uma pinta preexistente ou como uma mancha negra que poderá tornar-se assimétrica, com bordas irregulares, cor heterogênea e policromática (negra, marrom ou avermelhada). O melanoma, porém, também pode aparecer sem a existência de sinais anteriores.